Vistos para a nossa volta ao mundo

Sidney Lima Filho perguntou pelo Twitter como nós resolvemos a questão dos vistos para essa volta ao mundo. Esse é um tema que preocupa muita gente, por isso fiz esse vídeo contando nossa experiência.

Espírito de prorrogação

E se um médico lhe contasse que só lhe resta uma semana? Qual seria sua maior prioridade? Esse é um exercício de pensamento que eu e a Pati fazemos constantemente e é ele que nos ajuda a definir nossas prioridades.

Conhecendo melhor o mundo e o Brasil: potencial turístico

Viajando pelo mundo, estamos conhecendo melhor não só os lugares que visitamos, mas também o próprio Brasil, a medida que o entendemos melhor, comparando com outros lugares. Concluímos que não há outro país com potencial turístico maior que o do Brasil. Mas, infelizmente, a realização desse potencial ainda deixa muito a desejar.

Reconhecimento de Luxor

Fizemos um pequeno reconhecimento de Luxor e a experiência foi um tanto complicada. Mas, acho que vencemos o desafio. :-)

 

 

A ideia de dar a volta ao mundo

A Pati se empolgou em fazer vídeos recentemente. Então, aproveitei para falar um pouco sobre essa ideia “maluca” de dar a volta ao mundo.


Dicas de viagem

Como estamos “na estrada” há quase um ano e meio e eu faço a maior parte do planejamento das viagens, tive que ir aprendendo a usar algumas ferramentas simples na internet para facilitar a vida e evitar roubadas. Então, queria aproveitar para compartilhar que ferramentas são essas.

Passagens aéreas

Sempre começo pelo site http://matrix.itasoftware.com/

Ele parece ter os valores de todas as companhias aéreas do mundo e sempre me retorna resultados úteis, com o melhor preço que eu conseguiria. Mas, não dá para comprar a passagem por esse site. Ele só serve para consultar. 

Na hora de comprar a passagem, tipicamente faço isso diretamente no site da companhia aérea que foi indicada como tendo o melhor preço. Se por alguma razão não der para usar o site da companhia aérea, eu apelo para algum site de venda de passagens cujo preço dê igual ao que foi mostrado na consulta do site que indiquei acima. Por exemplo, recentemente isso aconteceu comigo em alguns trechos e usei o site http://www.orbitz.com/ para a compra das passagens. Funcionou direitinho.

Finalmente, no caso de voos mais longos, dou uma olhada no http://www.seatguru.com/ para ver onde é melhor sentar dentro do avião. E aí tento reservar o assento de acordo com as melhores opções indicadas pelo site.

Hospedagem

Normalmente eu começo procurando nohttp://airbnb.com/ Infelizmente, nem toda cidade do mundo tem boas ofertas de hospedagem através dele. Então, fico em hotéis, quando não rola Airbnb. Albergues (hostels) já usamos muito no passado, mas já estamos nesse momento da vida em que preferimos pagar mais para ter um pouco mais de privacidade, conforto e, sobretudo, banheiro dentro do quarto. :) Com isso, perdemos a oportunidade de fazer muitos amigos nos albergues, mas faz parte. 

Se temos que apelar para hotéis, pesquiso nohttp://www.tripadvisor.com/ para achar hotéis que pareçam decentes e cujos preços sejam “pagáveis”. Seleciono alguns que atendem essas características e leio bastante os reviews. O que procuro nos reviews é saber se a internet do hotel funciona e se é grátis. Além disso, vejo comentários sobre a localização. Finalmente, vejo as fotos que os viajantes postaram. Fotos oficiais não me interessam, pois raramente refletem a realidade. Aliás, no caso do Airbnb, quando as fotos são oficiais, ao invés de fotos amadoras, sei que tenho que dar um belo desconto, porque infelizmente eles seguiram pelo mesmo caminho de “enfeitar o pavão” no caso das fotos oficiais. Uma pena.

Quando acho um ou mais hotéis que agradam, faço a reserva, tipicamente usando algum site de reserva, tal como http://www.hotels.com/ ou http://www.agoda.com/ou http://www.booking.com/ Simplesmente vejo o que tem o melhor preço, já que todos funcionam igualmente bem, no geral. O Agoda é o que costuma ter o preço sempre ligeiramente melhor, então é o que acabo usando mais.

Para a galera menos fresca que a gente, tem ohttp://www.couchsurfing.org/ Não usamos ainda, mas conheço pessoas que já usaram e ainda estão aí para contar a história. :D

Aluguel de carro

No caso de muitos países, sobretudo os desenvolvidos, dá para obter ótimas cotações pelo site http://www.auto-hire-online.com/ É o que uso na maior parte do tempo e o preço costuma ser bem melhor do que alugando diretamente pelo site das locadoras.

Ferramentas de conversão e previsão

* Conversões de moeda - http://www.xe.com/
* Conversões de fuso horário -http://www.timeanddate.com/
* Previsão do tempo - http://www.weather.com/

Informações básicas sobre o destino

Para ter uma noção mínima do destino que iremos visitar, sempre faço uma consulta nohttp://wikitravel.org/en/Main_Page Coloco a cidade que visitaremos e aprendo o básico sobre o lugar. É sempre bem útil. 

Para saber o que fazer no lugar, tipicamente dou uma olhada na seção “Things to do” desses sites:http://www.tripadvisor.com/ e http://virtualtourist.com/Assim, tenho uma ideia de quais são as atrações turísticas que a galera mais visita. De quebra, vejo os comentários da galera e decido o que vale a pena para nós.

Exemplo de links desses sites para o caso da cidade em que estamos agora, Xi’an, aqui na China:

http://wikitravel.org/en/Xian
http://www.tripadvisor.com/Attractions-g298557-Activities-Xi_an_Shaanxi.html
http://www.virtualtourist.com/travel/Asia/China/Shaanxi_Sheng/Xian-997440/Tra…

Também costumo dar uma olhada nohttp://www.mochileiros.com/ Às vezes encontro uns relatos legais por lá. Não é uma fonte que uso muito, porque às vezes não é tão prático buscar a informação específica que desejo, mas de vez em quando tem questões que são melhor respondidas por brasileiros, porque têm a ver com brasileiros. :) Como por exemplo a questão de vistos em certos países.

Roubadas

Toda cidade tem lá as suas roubadas e pegadinhas para turistas. A boa notícia é que elas tipicamente são recorrentes e bem conhecidas. Portanto, você não precisa cair em roubada. Basta ler o que o que foi relatado pelos viajantes que já estiveram no lugar. 

Para isso, no site http://www.virtualtourist.com/ há duas seções que sempre leio rapidinho antes de chegar em cada cidade. São “Warnings and Dangers” e “Tourist Traps”. A galera que já esteve na cidade e passou por problemas relata nessas seções. Eu aprendo sobre as pegadinhas e quando elas aparecem eu raramente caio, porque já conheço a história do início ao fim. 

Mais uma vez, para exemplificar com o caso de Xi’an, veja os links:

http://www.virtualtourist.com/travel/Asia/China/Shaanxi_Sheng/Xian-997440/Tou…
http://www.virtualtourist.com/travel/Asia/China/Shaanxi_Sheng/Xian-997440/War…

Guias

Há dois tipos de guias a comentar aqui. O guia em formato de livro, como o Lonely Planet, e o guia de viagem, aquela pessoa que vai levando você nos lugares, contando a história e tal. Sinceramente, não gosto de nenhum dos dois e por isso dificilmente recorro a eles.

Os guias em formato de livro tentei usar inúmeras vezes ao longo do tempo. Em 1998, quando fiz meu primeiro mochilão pela Europa, eu tinha um guia em papel, bem bacana, que me ajudou pacas. Mas, eram outros tempos. A internet existia, mas não tinha tantos recursos para o viajante como hoje. E eu nem sempre tinha acesso a computadores durante a viagem. Então ficava complicado. 

De lá para cá, tudo mudou e para mim a internet é sempre a melhor forma de pesquisar sobre um lugar, porque posso ver a opinião de outros viajantes que estiveram no lugar. O que eu detesto em guias (livros) é que eles são simplesmente “marqueteiros” demais. Pegam um lugar que é uma porcaria, turisticamente falando, e “enfeitam o pavão” de forma ridiculamente exagerada. Vi isso acontecer com tanta frequência que simplesmente desisti desses guias. Não confio neles. 

Já os guias (pessoas) tipicamente fornecem informação enlatada que também “enfeitam o pavão”. Pelo menos isso é o que aconteceu na maioria das vezes que tentamos usar esse tipo de serviço. Então, estou fora. Até porque, prefiro visitar o que for no nosso tempo, no nosso ritmo. Se eu achar interessante, pesquiso mais a respeito na internet.

Orientações básicas

Para fechar, há algumas orientações simples que costumo seguir, porque refletem o que fomos aprendendo ao longo do tempo. Turistas são vistos por alguns locais como oportunidade de grana fácil simplesmente porque não conhecem bem a área. Mas, lembre-se que sempre é possível conhecer bem a área com antecedência lendo os relatos de quem já esteve nela, em sites como os citados antes.

Mas, mesmo que você não tenha lido, há algumas orientações que podem te ajudar praticamente em qualquer lugar do mundo, porque os problemas se repetem em praticamente todas as cidades.

Restaurantes nas proximidades de pontos turísticos tipicamente são bem mais caros que o normal e o atendimento tende a ser ruim. Então, quando nós estamos em um local turístico e queremos comer, nosso comportamento básico é andar para longe do local. Às vezes dois ou três quarteirões. E aí a gente já passa a achar restaurantes normais, onde a comida é boa, o preço é normal e o atendimento é bom.

Lojas nas proximidades de locais turísticos servem unicamente para um propósito: ser completamente ignoradas. Elas tipicamente vendem porcaria da pior qualidade pelo preço mais absurdo imaginável. Quer comprar uma lembrancinha? Vai para longe do local turístico.

Pegar taxi perto de um local turístico pode ser uma dor de cabeça em muitos lugares. Porque os taxistas que rondam os locais turísticos frequentemente são um tanto malandrões. Vão querer fazer a viagem sem usar o taximetro e cobrar um preço acima do normal. Mais uma vez, uma boa ideia é se afastar do local turístico e aí sim tentar pegar um taxi normal.

Agora vem a orientação mais importante de todas e que seguimos quase 100% do tempo. Se alguém te ofecer alguma coisa, negue, ignore, faça o que for necessário. Mas, não aceite! Exemplos: está saindo do local turístico e alguém oferece um taxi. Negue! Chegou no aeroporto e alguém oferece um taxi. Negue! Tá andando na night e alguém te chama para conhecer umas meninas. Negue! Alguém quer te dar um anel com base em alguma história da carochina. Negue! Alguém te oferece um tour. Negue! 

Se você é turista e alguém te oferece algo, especialmente próximo a um local turístico, ou rodoviária, aeroporto, estação de trem ou qualquer outro local onde circulem turistas, a chance de você cair numa roubada é ridiculamente elevada.

Às vezes as pessoas te oferecem algo que você efetivamente está querendo. Então, não seria lógico simplesmente aceitar a oferta que lhe é feita? Lógico pode até ser, mas não é recomendável. Vai por mim. 

Tipicamente dá para conseguir o que você quer com outra pessoa que não foi te oferecer diretamente. Exemplo, aqui em Xi’an estamos tendo que recorrer aos tuk tuks, já que taxi é artigo difícil de conseguir. Sem problemas. Tem motorista de tuk tuk que vem oferecer seus serviços. Eu ignoro ou nego. Sei que vão me cobrar mais. Vejo um tuk tuk parado, vou lá e abordo o cidadão. Digo onde quero ir e pergunto o preço. Normalmente é um valor coerente. O preço do malandrão que chega oferecendo é quase sempre bem mais alto.

Enfim, se alguém te abordar oferecendo alguma coisa, desconfie ou simplesmente negue. Turista representa grana fácil. E o que a pessoa está te oferecendo normalmente é fácil de conseguir. Então, é só ter um pouquinho de paciência e não aceitar a primeira oferta. 

Pegando um exemplo concreto aqui de Xi’an. Chegamos no aeroporto e assim que saímos da área de desembarque, já veio uma moça oferecendo para nos levar para a cidade por um precinho camarada de 200 Yuans. Sinceramente, não consegui ler sobre Xi’an antes de chegar. Então, não sabia se ia ser complicado conseguir taxi no aeroporto, nem qual seria o custo provável da corrida. Assim mesmo, já fui logo negando e tinha certeza que aquele valor oferecido era bem maior que o real. 

Até chegarmos na área dos taxis, outras pessoas vieram oferecer a corrida, com preços de 150 a 200. Neguei todos e comecei a discutir com os taxistas, dizendo que só pegava se fosse com taximetro. Aí o malandrão dizia: com taximetro sai por 200. Mas, faço para você, na camaradagem, por 150 sem taximetro. Eu eu quase respondia para ele em bom português: olha bem pra minha cara e vê onde tá escrito OTÁRIO em letras garrafais! :-)

Tinha um policial por lá e colocamos ele no circuito. Explicamos que queríamos um taxi para nos levar com taximetro e exigimos providência da autoridade. :-) Deu certo, ele logo convenceu alguém que nos trouxe até aqui puto da vida, é verdade, mas com preço final de 117 Yuan no taximetro. 

Em suma, não é porque você é turista que tem que cair em tudo quanto é papo de malandro, né. Sobretudo os “bonzinhos” que logo aparecem para te oferecer um bom negócio.